sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Do Natal à Páscoa...


O Natal já passou e regressámos à escola no dia 3 de janeiro.

"Teatro "3 abóboras e 400 camelos"

No dia 04 de janeiro a companhia de teatro de Coimbra "Atrapalharte" esteve na Casa do Pessoal da Maceira com a peça de teatro musical infantil "3 abóboras e 400 camelos".

Esta peça reúne duas histórias extraídas de obras das Metas Curriculares para o 1.º Ciclo: "As 3 abóboras" do livro "Teatro às três pancadas" de António Torrado, e "Sábios como camelos" do livro "Estranhões e bizarrocos" de José Eduardo Agualusa.
A divertida peça "3 abóboras e 400 camelos" foi brilhantemente interpretada pelos atores Paulo Ribeiro, Guilherme de Bastos Lima e Tânia Catarino proporcionando momentos de muita alegria, riso e diversão.
Foi muito divertido!


Obras das Metas Curriculares do 2º ano

No dia 15 de janeiro tivemos a visita da professora Helena Silva da BECRE para nos apresentar a obra "O Têpluquê e Outras Histórias" de Manuel António Pina em que o autor mostra o seu gosto em brincar com as palavras e inventar novas aventuras com as letras. Ouvimos algumas histórias deste livro, que nos abriram o apetite para ler mais e mais. Foi muito divertido conhecer este livro e as trapalhadas nas trocas de letras: o "tê" pelo "quê" ... Gigões e Anantes ... 
Um livro para ler, rir e imaginar.

Resultado de imagem para têpluquê e outras histórias





Visita de estudo ao Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota, Museu da Comunidade Concelhia da Batalha e Mosteiro da Batalha

Na sexta-feira, 26 de janeiro, os alunos do 3º e 4º anos participaram numa visita de estudo à Batalha. Aqui tão perto... e tão longe. Quantos já andámos de bicicleta, jogámos à bola ou simplesmente fomos até à Batalha mas, por muito estranho que seja, nunca nos preocupámos em saber porque existe naquele lugar um mosteiro imponente e grandioso: Quem o mandou construir? Porque foi construído? Quando foi construído?
Foi para dar resposta a estas perguntas que participámos entusiasticamente nesta visita de estudo. Depois de fazermos uma visita virtual na escola  ao Mosteiro de Santa Maria da Vitória pudemos ver ao vivo este monumento grandioso e saber mais sobre o mesmo. E, nada melhor, que serem uns frades e um marquês a contar-nos histórias e responder a estas perguntas. Foi uma visita guiada e encenada que nos levou ao século XIV e ao local onde aconteceu a batalha contra os castelhanos.
Tudo começou com a visita ao CIBA onde vimos um filme sobre a batalha ocorrida em 14 de agosto de 1385 contra os castelhanos com os exércitos portugueses serem comandados por D. Nuno Álvares Pereira e D. João I o Mestre de Avis. Visitámos outros lugares nas redondezas comemorativos dessa batalha e pudemos ver ainda vestígios da mesma no espaço museológico aí existente.
Depois de almoço fomos visitar o recente mas muito bonito MCCB (Museu da Comunidade Concelhia da Batalha) e descobrir mais acontecimentos da região desde a idade dos dinossáurios até à atualidade. É um museu galardoado com vários prémios por ser interativo, moderno e permitir variadíssimas formas de comunicação mesmo aos invisuais.
Por fim fomos visitar o majestoso e imponente Mosteiro de Santa Maria da Vitória mandado construir por D. João I para comemorar a importante vitória na Batalha de Aljubarrota. Tivemos a agradável surpresa de ter à nossa espera dois monjes e um marquês  que nos guiaram pelo interior do mosteiro desde a Sala do Fundador, pela nave principal, claustros e corredores interiores, a Sala do Capítulo, o túmulo do soldado desconhecido, o render da guarda, os dormitórios, as capelas imperfeitas, ..., e saber que o marquês era muito esquecido, repetia muitas expressões divertidas e gostava muito de peixe fresco e alperces com bolas de neve. 

























Pintalgar (nas escolas) com Irene Gomes



A nossa escola teve o privilégio de ser uma das poucas escolhidas para participar no projeto "Pintalgar com Irene Gomes" que é um projeto desenvolvido para melhor compreender como se realiza o processo criativo da Pintura.
Perceber como o artista consegue expressar pensamentos, sentimentos e emoções através de uma obra, seja ela desenho, pintura ou técnica mista.
Mostrar que a aprendizagem e a execução de um trabalho, não é apenas uma fotografia do que percepcionamos visualmente, mas uma forma de comunicar através dos sentidos.
Saber entender e interpretar a realidade através de um código que o acto de criar gera com carácter próprio, com distinção, que faz com que o observador identifique o autor pela obra em si, sem necessitar de recorrer à assinatura do quadro.
Compreender que a prática do ensino/aprendizagem do desenho e da pintura se aprende com a da sucessão de exercícios dirigidos a um resultado final.
Reconhecer que pintar é um processo mental, uma linguagem intimamente relacionada com as fases do desenvolvimento estético de cada um.
(in CML)
São 3 sessões de uma experiência nova e enriquecedora que nos tem proporcionado conhecer uma pintora de renome, com uma vasta obra em vários países, muito experiente que nos vai transmitindo e ensinando a arte da pintura e da criação de obras de arte com várias técnicas.

A exposição coletiva dos trabalhos realizados nas escolas será em setembro na galeria da Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira.







uns dias depois...


















e para terminar...

(em atualização)

Visita do escritor e contador de histórias Carlos Silva

No dia 02 de fevereiro tivemos a visita do escritor e contador de histórias Carlos Silva. Foi uma surpresa ver entrar um senhor com uma bicicleta e uma caixa de madeira com uns rabiscos japoneses.
Foi uma viagem ao Japão para conhecermos a ancestral e em vias de extinção tradição de contar histórias com imagens num cenário teatral em caixa de madeira transportada por uma velhinha bicicleta.
Foi muito divertido e o contador de histórias Carlos Silva levou-nos numa viagem a velhos tempos e a um país longínquo. Falou-nos ainda dos seus livros que escreveu com muita vontade em contar histórias aos meninos mais novos.
Foi uma manhã muito bem passada e divertida pois até entrámos na história com o escritor.










Dia da Internet Mais Segura


No dia 6 de fevereiro de 2018, comemora-se o Dia da Internet Mais Segura. Para que este dia seja assinalado na comunidade escolar, foram convidadas todas as escolas a dinamizarem atividades sobre as temáticas relacionadas com a Segurança Digital. Assim, nas aulas de Programação, vamos participar nesta iniciativa, durante o mês de fevereiro de 2018.
 Esta é a oportunidade perfeita para introduzir, ou reforçar, os temas da segurança digital entre alunos, professores, assistentes operacionais, encarregados de educação e pais.

É ainda um pretexto para uma reflexão em torno de temáticas relevantes no que respeita à utilização crítica da Internet. na escola e em casa:
• O que são redes sociais?   
• O que é o perfil de utilizador? Diferenças entre perfil aberto (qualquer utilizador pode consultar a informação de outro) e perfil fechado (somente alguns utilizadores têm acesso a essa informação). 
• Que dados podem ser publicados no perfil? Alguns dados, como gostos pessoais (filmes, ator preferido e livros favoritos, etc.) que não comprometem a nossa identidade podem ser publicados.   Dados como a morada, escola, número de telemóvel ou fotos pessoais podem comprometer a segurança do utilizador.   
• Quais os alunos que utilizam redes sociais? Quais redes? O que fazem nelas? Refletem sobre a informação que disponibilizam?  
• Quais as diferenças entre amigos “reais“ e amigos “virtuais“?   
• Quais os riscos associados a encontros com pessoas que se conhecem nas redes sociais.   
• Alertar os alunos para a existência de falsas identidades, não se devendo acreditar em tudo   o que se lê nos perfis.
(in site da Seguranet)


Na primeira sessão descobrimos e explorámos o site da Seguranet e jogámos vários jogos relacionados com o tema.

Carnaval 2018


Na sexta-feira festejámos o nosso Carnaval. Fomos mascarados de super-heróis, princesas, reis, índios, aventureiros, ninjas, palhaços, animais, bombeiros, ... e fomos fazer uma visita aos pequenitos do Jardim de Infância. Lanchámos e depois desfilámos pelas ruas com muitas serpentinas, barulho, assobios, risos, gargalhadas e muita alegria. Foi um dia muito alegre e divertido.
















(em atualização)


Sem comentários:

Enviar um comentário